Instrutor JORGE MARQUES – 7º DAN

Jorge Maia Marques, nasceu em 30/05/1956, vive em Lisboa e exerce a atividade profissional como Gestor de Afretamentos Marítimos.
É Instrutor da Associação Portuguesa de Karate Shukokai, sendo o 2º mais graduado da organização liderada por Shihan Marcelo Azevedo (8º Dan).
Jorge Marques começou a treinar em 1979, com um grupo que teve origem no Sensei Elmano Caleiro e apenas mais tarde foi treinar com Sensei Marcelo Azevedo.
“Naqueles tempos não se começava a treinar Karate enquanto criança, mas apenas a partir dos 15/16 anos!...”, e acrescenta que iniciou a prática pelo gosto e interesse no combate e sobretudo pelo interesse no Japão e tudo o que estava relacionando com a Artes Marciais.
Refere que naquela altura não havia muitos centros de prática. Tomou conhecimento por “ouvir falar, por uns livros, por uns filmes”. A primeira vez que viu uma aula de Karate, foi na Parede. Fez ginástica durante uns anos, natação e basquetebol, tendo sido jogador federado.
Recorda-se do primeiro impacto que o Karate teve em si! Afirma que “fez-me bem ao ego, pois após duas ou três aulas, foi-me perguntado se já tinha treinado antes”.
Para Jorge Marques, o Karate é uma forma de vida, no sentido “filosófico”. Considera-o a Via, o “My way of life”
Compara o seu objetivo ao de alguém que pretende ser o melhor Arqueiro e atingir um estado Zen enquanto Mestre.
Para Jorge Marques, a importância de ser Instrutor passa pelo contentamento de transmitir o que aprendeu e, por isso, lamenta a falta de entrega dos praticantes que desistem após mais ou menos tempo de prática.
É Instrutor do Dojo CNG, o mais antigo da APKS, com mais de 40 anos!
Já ensinou centenas de alunos que passaram no seu Dojo e, atualmente, o seu grupo é composto por alguns jovens com cerca de 14 anos (em formação) e num grupo de praticantes mais velhos, dedicado e interessado na Arte do Karate Shukokai.
Descreve o seu grupo da seguinte forma: Dedicação, Interesse, Karate-Kas!
Considera que alguns dos motivos que levam ao abandono do Karate são a dificuldade na conjugação dos horários estudantis e a entrada na vida universitária, assim como outros fatores de “distração”, como a vida social, os convívios etc.
Por outro lado, aponta a falta de espírito de sacrifício, o que leva as pessoas a desistir facilmente. Refere que “o limiar da dor também se treina. As pessoas não estão preparadas para passar por esse esforço”.
Jorge Marques é uma das figuras incontornáveis da APKS, com um percurso notável de mais de 40 anos de prática ininterrupta de Karate, tendo privado com Soke Shigeru Kimura e formado centenas de Karatekas ao longo dos anos.
Marcou presença no percurso competitivo da APKS e da FNKP como Árbitro ao longo de décadas, acompanhando de perto a evolução desportiva do Karate Nacional, assim como o da Kimura Shukokai International, sendo um dos elementos mais considerados do panorama internacional do Shukokai.
É, desde o início, um dos Membros do Conselho Técnico da APKS, aportando o seu elevado conhecimento marcial e enorme experiência na formação de Praticantes e Instrutores, sendo conhecido pelo rigor e exigência, com vista ao aprimoramento da técnica do Shukokai.
Para Jorge Marques, o #karatefazbem bem porque exige um equilíbrio do praticante. “Mente sã em corpo são”. Refere, no entanto, que “o desporto de alta competição não dá saúde, exige saúde”.
E conclui afirmando que o #karatefazfalta, porque “…só faz falta a quem o faz! É um desporto muito completo.”

Nenhum comentário

O autor não autorizou comentários deste artigo