Instrutor Nuno Dias – 5º DAN

Nuno Dias nasceu em 27 de Março de 1978, vive em Lisboa e é jornalista de profissão.
É Instrutor da Associação Portuguesa de Karate Shukokai.
Nuno teve o seu primeiro contacto com o Karate no final da década de 80 nos Bombeiros Voluntários da Parede e confessa que “…na realidade acho que o Karate sempre fez parte de mim. Desde das brincadeiras de luta na rua e a imitar o que via nos filmes, tenho memória de ter feito sempre uma espécie de Karate”.
Desde cedo que achou o Karate fascinante. Desde o ambiente, o treino e os “quimonos”. “Sempre adorei vestir o quimono, até porque durante muito tempo não tive possibilidades financeiras de ter um. Por isso, treinava de fato de treino enquanto sonhava um dia ter o meu quimono.”
Para Nuno, o Karate é um modo de vida, uma forma de estar na vida. “Há quem procure uma vida inteira para encontrar algo que os apaixone. Eu tive sorte! Encontrei o Karate.”
Nuno Dias é um dos Competidores do Karate Nacional com maior palmarés desportivo de todos os tempos!
Foi inúmeras vezes campeão Nacional da Federação Nacional de Karate – Portugal (Inter-estilos) na disciplina de Kumite (Combate) na categoria de pesados, assim como Campeão do Mundo e da Europa do Estilo Shukokai da Organização da KSI (Kimura Shukokai International).
Dotado de uma capacidade física, técnica e mental de excelência, é também formado em outras marciais, tal como o Judo, o Ju-Jutsu (tradicional) e Brazilian Jiu-Jitsu, sendo também competidor de destaque nestas modalidades, alcançando por exemplo o título de Campeão da Europa de BJJ há poucos anos atrás.
É também um embaixador das Artes Marciais e da atividade física em todo o mundo, dando palestras e seminários em vários continentes.
Reservado, mas assertivo, humilde e com a confiança de campeão nos tatamis e na vida, Nuno salienta a importância de ser instrutor pois pretende levar ao maior número de pessoas os benefícios do Karate. Hoje, sente-se cada vez mais feliz por poder continuar a treinar.
Com naturalidade diz “Eu gosto de treinar e se as pessoas considerarem que podem aprender alguma coisa comigo são bem-vindas nos meus treinos. Eu tenho uma motivação intrínseca que me leva a treinar diariamente. Acredito cada vez mais na teoria da autodeterminação, que basicamente é a capacidade ou o processo de tomar as próprias decisões e controlar a própria vida!”
Para Nuno, o objetivo na Arte Marcial passa por ser feliz e a fazer o que gosta. Espera continuar a desenvolver a literacia física para poder continuar a treinar durante muitos anos.
Enfatiza que a atividade física e o Karate contribuem para o desenvolvimento humano e promovem a saúde e o bem-estar, trazendo maior qualidade de vida. Por estes motivos refere: “com a prática do Karate espero dar vida aos anos e anos à vida!”
Nuno é Instrutor de várias artes marciais, sendo Instrutor de Karate no Dojo Energy Fitness Club, que abriu no final da década de 90. Tem duas classes, uma para crianças e outra para adultos.
Refere com orgulho e humildade “Alguns dos alunos mais velhos são os grandes impulsionadores da modalidade. São assíduos e acima de tudo gostam genuinamente de treinar. São eles que têm aguentado o clube. São estes alunos que me fazem ver que em algum momento fiz alguma coisa bem em termos de ensino.”
Descreve o seu grupo em três palavras: Companheirismo, Resiliência e Entreajuda.
Sendo casado e pai de três filhas, destaca as iniciativas da APKS, tal como a dos Family Supporters, referindo que estas campanhas de agregação de valor são sempre importantes.
Para Nuno, o #karatefazbem porque promove o desenvolvimento humano. “É uma arte que educa e aperfeiçoa a personalidade do praticante.”
E considera que o #karatefazfalta pois uma das mensagens que os treinadores de Karate mais transmitem é de que um praticante de Karate não faz Karate somente durante o treino, mas sim em todos os momentos da sua vida. Finaliza com uma citação do “fundador do Karate moderno”, Sensei Gichin Funakoshi, numa das passagens do seu livro - Karate-Do O meu Modo de Vida - “... viva a sua vida de acordo com a ética, quer em público quer em particular. Este é um princípio que exige a observância mais rígida."

Nenhum comentário

O autor não autorizou comentários deste artigo